Filipe Magalhães

31 Agosto 2009

Reflexão

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 23:48

Agosto chegou ao fim.

Daqui por umas horas já é Setembro. O mês dos regressos. Novos desafios se avizinham. É preciso enfrentá-los de cara levantada. E vencê-los!

Anúncios

27 Agosto 2009

Concurso Nacional de Professores

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 22:36

Foram divulgados hoje, na conferência de imprensa do ME, os resultados do Concurso Nacional de Professores. As listas de Colocação / Não Colocação só ficarão disponíveis amanhã na página da DGRHE.

Links úteis sobre o tema:

http://profslusos.blogspot.com/

 

Notícias (Outra Vez – Mas Estas São Fresquinhas)

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 15:08

Portal da Educação

26 Agosto 2009

Notícias De Hoje – Jornal Público (A Educação Em Portugal)

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 11:48
 

Há cada vez mais alunos a contestar as notas dos exames nacionais e a ter razão

Pais divididos quanto ao alargamento da escolaridade obrigatória


Cavaco Silva promulgou alargamento da escolaridade obrigatória para 12 anos


Ministra recusa que resultados sobre insucesso escolar se devam a facilitismo


Fenprof diz que diminuição do insucesso não corresponde a melhor aprendizagem


FNE deseja que descida de reprovações seja real e não sirva estatísticas


Governo salienta redução para metade do abandono e insucesso escolar


Há um computador por cada 5,6 alunos nas escolas


APEL diz que actualização de preços dos manuais escolares tem sido inferior à inflação


Sócrates: Governo e autarquias investem mais de 1500 milhões de euros no parque escolar

Honestamente, ainda não tive tempo de ler todas as notícias, mas faço questão de fazê-lo urgentemente.

É Chato, Mas O Que Posso Fazer? É O Portugal Que Temos!

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 11:14

Algarve: Seguia com filho de ex-Secretário de Estado do ordenamento do território

 
Filho de magistrados bêbedo em contramão
O filho de um procurador do Ministério Público (MP) e de uma juíza foi ontem de madrugada surpreendido pela PSP a conduzir em contramão numa rotunda da Estrada da Ponta da Piedade, em Lagos. Acusou 1,5 gr./l de álcool no sangue, três vezes mais do que é permitido por lei, e foi detido. Levado à esquadra, viu os pais chegarem pouco tempo depois e foi libertado – com notificação para ir a tribunal horas depois. Só que o jovem condutor, de 24 anos, chegou atrasado à audiência. As testemunhas do seu crime, polícias, já tinham sido dispensadas por um procurador do MP, colega do pai.

No carro, um Citroën, seguiam mais dois amigos do infractor, um deles filho de um ex-secretário de Estado do Ordenamento do Território, José Mário Ferreira de Almeida. O filho do antigo político, que fez parte do último Governo PSD, apresentou queixa contra agentes da PSP que participaram na ocorrência por abuso de autoridade.
Segundo o CM apurou, pelas 05h10, uma carrinha do Corpo de Intervenção – do dispositivo que está a reforçar o policiamento no Algarve durante o Verão – regressava do centro de Lagos para a escola onde os agentes pernoitam quando se depararam com um automóvel a contornar uma rotunda em sentido contrário. Os agentes evitaram a colisão e de imediato deram ordem de paragem ao condutor.
O jovem, de 24 anos, acusou 1,51 gr./l no teste de álcool, pelo que foi detido por condução perigosa e sob efeito de álcool. Na esquadra, o filho dos magistrados, ambos colocados na Grande Lisboa, não requereu a contraprova e foi posto em liberdade, notificado para se apresentar no Tribunal de Lagos pelas 10h00. Já de manhã, os agentes foram até ao tribunal enquanto testemunhas – como diz a lei – mas logo às 10h00 foram dispensados pelo procurador do MP. O arguido acabou por chegar já depois das 11h30 e foi presente a um juiz. Fica por ouvir a versão dos agentes.
Os dois amigos do condutor que seguiam no carro têm a mesma idade. No lugar do pendura, ia o filho de Ferreira de Almeida, secretário de Estado do Ordenamento do Território quando Isaltino Morais era ministro do Ambiente.
O jovem terá mostrado ‘renitência em sair do veículo quando tal lhe foi solicitado, alegando que não eram criminosos perigosos e que a polícia não tinha legitimidade para tal’, disse ao CM fonte da PSP. ‘Aparentemente alcoolizado’, o filho de Ferreira de Almeida terá sido forçado a sair do carro e, ao sair, ‘caiu ao chão e magoou-se num pé’. Também foi à esquadra de Lagos e fez queixa contra os agentes que o obrigaram a sair do veículo.


DETIDOS NA ESTRADA SOLTOS DE IMEDIATO
Desde que o Código da Estrada foi alterado em 2005, ‘ninguém é verdadeiramente detido por crimes praticados na estrada’, explicou ao CM fonte da antiga Brigada de Trânsito da GNR. ‘Mesmo que se seja apanhado com uma taxa de álcool de 1,51 gr./l, que é crime punível com pena até um ano de prisão, é-se apenas levado à esquadra ou ao posto para elaboração do expediente e a seguir volta-se a sair em liberdade com notificação para ir a tribunal’, esclarece a mesma fonte.
Segundo o CM apurou, o mesmo se passa quando há uma acumulação de crimes, como é este caso. O condutor da viatura detectada em contramão cometeu um crime de condução perigosa – punível com uma pena de até três anos de prisão –, ‘mas nem isso chega para ficar sob custódia das autoridades até ser levado a tribunal’.
Muitos destes detidos não chegam, depois, a apresentar-se ao juiz e os processos arrastam-se durante meses ou anos.

EVENTUAL ABUSO SOB INVESTIGAÇÃO
fonte sindical disse ao CM que ‘é triste ver os agentes cumprirem o seu dever e depois serem acusados por aqueles que praticaram crimes’. Segundo o CM apurou, os agentes visados – desconhece-se o número – pela acusação de abuso de autoridade vão agora ser alvo de um inquérito de averiguações interno e de um processo judicial complementar a este.

PORMENORES
DIAP NA GRANDE LISBOA

O pai do jovem detido pela PSP é procurador de um Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) recém-criado pela Procuradoria-Geral da República na Grande Lisboa.

TERCEIRO ELEMENTO
No carro obrigado a parar pela PSP seguia, além do detido e do filho do ex-secretário de Estado do Ordenamento do Território, um jovem, também de 24 anos, que ‘não consta sequer do expediente elaborado’.

FALTA DE CINTO
O filho de José Mário Ferreira de Almeida, que apresentou queixa contra os agentes, foi alvo de um auto de contra-ordenação por circular de carro sem cinto de segurança.

REFORÇO POLICIAL
Os elementos que participaram na ocorrência fazem parte do Corpo de Intervenção da PSP e estão em diligência no Algarve durante este mês, de grande afluência. Na altura em que se depararam com o veículo em contramão, os agentes seguiam do centro de Lagos para a escola onde pernoitam sempre.

João C. Rodrigues/ João Mira Godinho

 

Depois disto, só tenho pena de não ter pais magistrados…. Mas também, como não bebo quando vou conduzir, acho que, à partida, posso até estar descansadito. Ufa…

22 Agosto 2009

Confessionário

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 11:44

Ora confessem lá que não gostavam de estar aqui…

lindo

aqui…

mar bora bora 3

se calhar, aqui também não era má ideia…

mar bora bora 2

ou, para finalizar, seria este um bom sítio?

palmeiras bora bora

20 Agosto 2009

O Porreirismo

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 16:13

Helena Matos | Nunca se deve dar poder a um tipo porreiro

 
O porreirismo de Sócrates, pela natureza do cargo que ocupa, criou um problema moral ao país.
No início, ninguém dá nada por eles. Mas, pouco a pouco, vão conseguindo afirmar o seu espaço. Não se lhes conhece nada de significativo, mas começa a dizer-se deles que são porreiros. Geralmente estes tipos porreiros interessam-se por assuntos também eles porreiros e que dão notícias porreiras. Note-se que, na política, os tipos porreiros muito frequentemente não têm qualquer opinião sobre as matérias em causa mas porreiramente percebem o que está a dar e por aí vão com vista à consolidação da sua imagem como os mais porreiros entre os porreiros. Ser considerado porreiro é uma espécie de plebiscito de popularidade. Por isso não há coisa mais perigosa que um tipo porreiro com poder. E Portugal tem o azar de ter neste momento como primeiro-ministro um tipo porreiro. Ou seja, alguém que não vê diferença institucional entre si mesmo e o cargo que ocupa. Alguém que não percebe que a defesa da sua honra não pode ser feita à custa do desprestígio das instituições do Estado e do próprio partido que lidera. O PS é neste momento um partido cujas melhores cabeças tentam explicar ao povo português por palavras politicamente correctas e polidas o que Avelino Ferreira Torres assume com boçalidade: quem não é condenado está inocente e quem acusa conspira. Nesta forma de estar não há diferença entre responsabilidade política e responsabilidade criminal. Logo, se os processos forem arquivados, o assunto é dado por encerrado. Isto é o porreirismo em todo o seu esplendor.
Acontece, porém, que o porreirismo de Sócrates, pela natureza do cargo que ocupa, criou um problema moral ao país. Fomos porreiros e fizemos de conta que a sua licenciatura era tipo porreira, exames por fax, notas ao domingo. Enfim tudo “profes” porreiros. A seguir, fomos ainda mais porreiros e rimos por existir gente com tão mau gosto para querer umas casas daquelas como se o que estivesse em causa fosse o padrão dos azulejos e não o funcionamento daquele esquema de licenciamento. E depois fomos porreiríssimos quando pensámos que só um gajo nada porreiro é que estranha as movimentações profissionais de todos aqueles gajos porreiros que trataram do licenciamento do aterro sanitário da Cova da Beira e do Freeport. E como ficámos com cara de genuínos porreiros quando percebemos que o procurador Lopes da Mota representava Portugal no Eurojust, uma agência europeia de cooperação judicial? É preciso um procurador ter uma sorte porreira para acabar em tal instância após ter sido investigado pela PGR por ter fornecido informações a Fátima Felgueiras.
Pouco a pouco, o porreirismo tornou-se a nossa ideologia. Só quem não é porreiro é que não vê que os tempos agora são assim: o primeiro-ministro faz pantomina a vender computadores numa cimeira ibero-americana? Porreiro. Teve graça não teve? Vendeu ou não vendeu? Mais graça do que isso e mais porreiro ainda foi o processo de escolha da empresa que faz o computador Magalhães. É tão porreiro que ninguém o percebeu mas a vantagem do porreirismo é que é um estado de espírito: és cá dos nossos, logo, és porreiro.
E foi assim que, de porreirismo em porreirismo, caímos neste atoleiro cheio de gajos porreiros. O primeiro-ministro faz comunicações ao país para dizer que é vítima de uma campanha negra não se percebe se organizada pelo ministério público, pela polícia inglesa e pela comunicação social cujos directores e patrões não são porreiros. Os investigadores do ministério público dizem-se pressionados. O procurador-geral da República, as procuradoras Cândida Almeida e Maria José Morgado falam com displicência como se só por falta de discernimento alguém pudesse pensar que a investigação não está no melhor dos mundos…
Toda esta gente é paga com o nosso dinheiro. Não lhes pedimos que façam muito. Nem sequer lhes pedimos que façam bem. Mas acho que temos o direito de lhes exigir que se portem com o mínimo de dignidade. Um titular de cargos políticos ou públicos pode ter cometido actos menos transparentes. Pode ser incompetente. Pode até ser ignorante e parcial. De tudo isto já tivemos. Aquilo para que não estávamos preparados era para esta espécie de falta de escala. Como se esta gente não conseguisse perceber que o país é muito mais importante que o seu egozinho. Infelizmente para nós, os gajos porreiros nunca despegam.

Alteração Código da Estrada

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 16:01

DR 156 SÉRIE I de 2009-08-13

Lei n.º 78/2009 ( DR – ver ficheiro pdf )
Assembleia da República
Procede à oitava alteração ao Código da Estrada, permitindo o averbamento da habilitação legal para a condução de veículos da categoria A1 à carta de condução que habilita legalmente para a condução de veículos da categoria B.

Pensa Mentus

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 15:56

Tudo na vida é passageiro, excepto o motorista e o revisor.

Todos os cogumelos são comestíveis. Alguns só uma vez.

A primeira amnésia nunca se esquece.

Beba moderamente, mesmo que em grandes quantidades.

Não se ache horrível pela manhã. Acorde ao meio-dia.

Nunca se deve bater num homem caído, a não ser que se tenha a certeza de que ele já não se levantará.

 Tudo na vida passa, até a uva passa.

Tudo na vida muda, até a surda muda.

Para onde quer que vás, é aí que tu estás.

Um dia sem o nascer do sol é como a noite.

Em cada 10 pessoas, 6 sabem contar e as outras 5 não.

Só bebo para tornar as outras pessoas interessantes.

Uma pessoa saudável é aquela que não foi suficientemente examinada.

Não te digas incompreendido, vê antes se te compreendes a ti.

Evita acidentes, faz tudo de propósito.

Se a vida são dois dias, ao menos que calhe num fim-de-semana.

18 Agosto 2009

Nunca mais vou a Bomba de Gasolina

Filed under: Caixa de Pandora — Filipe Magalhães @ 14:17
Agora que penso nisso, porque se diz: “Bomba de Gasolina” se também podemos atestar “Gasoleo”? É que o meu carro é a gasóleo e eu não digo que “vou à Bomba de Gasóleo”. Eu tenho cá para mim que é tudo uma questão de discriminação do pobre coitado do Gasoleo.
Mas pronto, como sempre, das duas uma: ou não dou título aos post, ou fujo ao assunto. E hoje, invariavelmente, ia pelo segundo caminho. Quase que posso jurar que a senhora* que recebe o dinheiro da bomba do “gasolineo” se estava a fazer a mim.
* senhora que deve ter mais 2 / 3 anos do que eu, vá.
Older Posts »

Site no WordPress.com.